HISTÓRIA DA CONGREGAÇÃO SAR EL

Parte 01                    Parte 02                    

Reescrevendo sua história
por Stella Maris M. S. do Amaral e Silva

 

Ao Jair, meu esposo,
Guerreiro silencioso
Que na quietude de seu coração
E nas madrugadas de joelho no chão,
Pode ouvir D’us
E não duvidou de Suas promessas.

 

I

 

Em 12 de fevereiro de 2002, tivemos a inauguração formal da sede da Sar-El com a presença e a benção de Joseph Shulam e Marcelo M. Guimarães, além de outros irmãos queridos.


Alguns anos se passaram. 2002, 2003, 2004, 2005...


Em abril, celebramos pela primeira vez em nova sede. Era Pessach!


No dia dois de julho, na manhã de Shabat, estávamos reunidas para oração antes do Serviço da Torah. Irmã Madalena me advertiu:


“Começarei a minha obra com dez”. - Foi o que ouvi do Senhor, esteja preparada!


Ah! Como entender isso?

 

II

 

E foi assim que aconteceu. Muitos vieram, mas apenas dez permaneceram.

 

Pedimos e irmão Marcelo veio nos ver. Era 12 de julho de 2005. Precisávamos estar com ele. Falar-lhe e ouvi-lo. Amparou-nos.


Em início de agosto do mesmo ano, uma equipe da Escola de Estudos Judaicos da JOCUM Rishmond – EUA, sob liderança do Pastor Jaime Araujo, veio para trabalhar e nos apoiar.

 

Joseph Shulam veio de Israel e ministrou coisas importantes. Deixou sua benção. O estimado Matheus, filho de Marcelo, veio como intérprete mais uma vez.


Ainda não sabíamos, mas seria curta nossa temporada na espaçosa sede.

 

Em setembro de 2006, estávamos voltando para os lares. Passaríamos a nos reunir semanalmente de casa em casa.

 

Os pertences da Sar-El ficariam guardados na casa de quem dispôs o coração para
tal.


Qual foi nossa primeira celebração nesse novo peregrinar?

 

Rosh Hashaná, Ano 5767. Retorno. Recomeço.


Reunimo-nos em nosso apartamento e a Congregação celebrou com alegria junto a alguns visitantes.

 

III

 

Sar-El enfrentou dificuldades.


Aprender a caminhar não é fácil para uma criança frágil, ainda que cingida de força. Antes desse portento veio o engatinhar e muitas tentativas de se manter em pé entre quedas e tropeços. AQUELE que ajuda a levantar-se e sustenta-a com Suas mãos, não permitirá
que seus pés vacilem.


“E os teus ouvidos ouvirão a palavra do que está por detrás de ti, dizendo: Este é o caminho, andai nele, sem vos desviardes nem para a direita nem para a esquerda.” Isaías 30:21

 

IV

 

Relatar as dificuldades entre perdas, erros e julgamentos?


Serviram como experiência. Ajudaram no amadurecimento e compreensão de que devemos caminhar de acordo com o que já alcançamos - passo a passo.

 

“Todavia andemos de acordo com o que já alcançamos.” Filipenses 3:16

 

V

 

Doenças são muito comuns na infância, até que o organismo da criança esteja imunologicamente adequado e fortalecido. Doenças ativam a produção de anticorpos.


Halleluya!


O importante é a vontade de viver e o amor manifesto através de quem se importa - de perto ou de longe - porque “o amor é forte como a morte.”


Sar-El é uma criança persistente, embora algumas circunstâncias a desanimem.


Não são muitos os que acreditam em seu potencial. Natural!

 

“Não se trata daquilo que vêem os homens, pois eles vêem apenas com os olhos, mas o Eterno vê o coração.” I Samuel 16:7

 

VI

 

Sar-El completou seis anos em dezembro de 2007.


Um cicio suave vindo da voz do Pai é o estímulo de que necessita para continuar.


Ah! Agora precisa estar mais atenta a essa Voz. Já está razoavelmente crescida e por vezes tomou atalhos - rebeldia de criança! O Pai não se intimida em fustigá-la com a vara, afinal quem retém a vara retém a disciplina. Porém, quando a olha através do Filho, atrai-a para os Seus braços. Ele a quer de volta. Isso é amor!


"O que retém a vara aborrece a seu filho, mas o que o ama, cedo, o disciplina”. Pv 13:24

 

VII

 

“Disto me recordarei na minha mente; por isso esperarei.

 

As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim;

 

Novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade.A minha porção é o Senhor, diz a minha alma; portanto esperarei nele.


Bom é o Senhor para os que esperam por ele, para a alma que o busca.


Bom é ter esperança, e aguardar em silêncio a salvação do Senhor.


Bom é para o homem suportar o jugo na sua mocidade.


Assente-se solitário e fique em silêncio; porquanto Deus o pôs sobre ele.


Ponha a sua boca no pó; talvez ainda haja esperança.


Dê a sua face ao que o fere; farte-se de afronta.


Pois o Senhor não rejeitará para sempre.

 

Pois, ainda que entristeça a alguém, usará de compaixão, segundo a grandeza das suas misericórdias.

 

Porque não aflige nem entristece de bom grado aos filhos dos homens.


Pisar debaixo dos seus pés a todos os presos da terra,


Perverter o direito do homem perante a face do Altíssimo;


Subverter ao homem no seu pleito, não o veria o Senhor?


Quem é aquele que diz, e assim acontece, quando o Senhor o não mande?


Porventura da boca do Altíssimo não sai tanto o mal como o bem?


De que se queixa, pois, o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus pecados. Esquadrinhemos os nossos caminhos, e provemo-los, e voltemos para o Senhor.”

 

Lamentações 3: 21-40

 

Voltar para a vontade do Pai será um passo importante em seu caminhar e recuperação.


Desde muito cedo Sar-El manifestou sua alma judaica, o que implicou em ter de enfrentar oposições. Gosta do rito judaico. Isso não teria tanta importância se não viesse do seu coração.


Olhar para as luzes acesas ao por do sol da sexta-feira a enchem de alegria e esperança. É o início do Shabat. Cantar canções próprias desse dia é muito precioso! Em seu íntimo sabe a necessidade disso.


É também por aqueles que estão para chegar, além de ser seu direito por herança. Está tudo gravado em uma memória que aos poucos desperta ainda que sua compreensão não seja plena a respeito de si mesma.

 

VIII

 

“Não esmagará a cana quebrada, nem apagará a torcida que fumega; em verdade promulgará o direito”. Isaías 42: 2

 

- Como ainda não morri? Pergunta-se às vezes.


“Não morrerei, antes viverei...” - não foi assim que começou sua história? Eis a resposta! É a Palavra gravada em sua mente e coração.

 

IX

 

Voltar para os braços do Eterno implica numa jornada difícil pelo deserto.


É preciso enfrentar o sol escaldante durante o dia e muito frio durante a noite. Sentir sede de justiça, tratar com a incredulidade, sair do conforto de uma casa e peregrinar... De tenda em tenda... Sem importar-se muito com o que dizem ou pensam. Está segura e sabe o que deve fazer: firmar os pés e seguir conforme o Senhor ordenou. A ordem está contida no capítulo cinqüenta e oito de Isaías.

 

Já colhe alguns frutos por entender e obedecer. Como já disse, passo a passo.

 

Agora é permanecer!


“Despertem e orem para que não sejam testados - o espírito, de fato está preparado, mas a

natureza humana é fraca.” Mateus 26:41

 

X

 

Janeiro de 2008.


Sar-El está num tempo mais feliz. Espera visita de amigos muito caros para ela.

 

Continua ligada a Israel em amor (raízes e herança de fé) e deseja manifestar esse amor em atitudes.

 

No Brasil fez novos amigos. São crianças indígenas atendidas pela Missão Cuagu no Amazonas (raízes da Pátria brasileira).


Permanecem os amigos de sempre em diversas cidades do Brasil. Entre estes, os B’nei Anussim - filhos dos forçados (raízes em restauração).


É o resgate. É a oportunidade de contemplar a multiforme sabedoria de D’us na variedade de Sua obra e no amor que nos une. Somos feitura Dele. A Terra e toda a criação estão interligadas e precisam se fortalecer no amor que Seu Filho Yeshua ensinou.


O Eterno tem nos ensinado sobre o Amor em todo Seu cuidado com esse Príncipe de D’us - sim, esse é o significado do nome Sar-El... Que não sabe todas as coisas, nem tudo o que está para vir, mas uma coisa aprendeu: É um novo tempo!


“Esquecendo-me do que ficou para trás de mim e me
esforçando para obter o que está à minha frente,
continuo à procura do objetivo para ganhar o prêmio
oferecido pelo chamado celestial de D’us no Messias

Yeshua”.
Filipenses 3: 13b-14

 

14/07/2008



Em breve a Parte 03

 

 

 

voltar para Parte 01