HISTÓRIA DA CONGREGAÇÃO SAR-EL

Parte 01                    Parte 02                  

Reescrevendo sua história
por Stella Maris M. S. do Amaral e Silva

 

Nasceu Sar-EL

“Não morrerei; antes viverei e contarei as obras do Senhor”. Salmo 118.17


"De boas palavras transborda o meu coração: Ao Rei consagro o que compus..." Sl 45:1a


Agradeço a todos os leitores. Em especial àqueles que fazem parte desta história como personagens e sabem reconhecer onde se incluem, ainda que nas entrelinhas.

 

I

 

De um sonho de D-us, gerado por Seu Santo Espírito num ventre espiritual materno, "NASCEU SAR-EL".

É um lindo bebê. Franzino, mas cingido de força.

 

Embora as muitas tentativas do inimigo para tentar abortá-lo, tendo sofrido ainda no ventre uma intervenção cirúrgica muito delicada a fim de reparar uma brecha em sua coluna, Sar-El suportou a intervenção do Grande Médico segurando em Sua mão e veio a nascer no tempo determinado. Foi uma gestação difícil, masELE agiu.

 

II

 

Todo sonho do Eterno para nossas vidas é gerado em nós pelo Espírito Santo de D-us e no tempo determinado, vem à luz como um bebê. De forma natural o nascimento de uma criança vem precedido das dores de parto.

 

“Por muito tempo me calei, estive em silêncio, e me contive; mas agora darei gritos como a que está de parto..." Isaías 42.14

A história da Congregação Judaico-Messiânica Sar-El de Curitiba (vou chamá-la apenas de Sar-El) começou há muitos anos, creio que antes da fundação do mundo. Afinal, D-us é o Senhor do tempo.

"Ainda antes que houvesse dia, eu era; e nenhum há que possa livrar alguém das minhas mãos: agindo eu, quem impedirá?” Isaías 43.13

Buscando em minhas memórias, pude fazer um breve relato de como tudo aconteceu até aqui: sete de janeiro de 2002.


Comecemos pelo mês de novembro de l995 e janeiro de l996, quando meu esposo e eu nos convertemos a Jesus, o Messias de Israel.

Antes disso havia um vazio em nosso coração e a escuridão o cobria. Porém, havia em nós o fôlego de vida e a busca pelo Senhor do Universo. Com laços eternos Ele nos atraiu e iniciou o nosso retorno.

 

Seguiram-se dois anos de aprendizado básico (l996 e l997). Manejar a Bíblia não era difícil para alguém que fora criada em uma comunidade evangélica. Só que agora, cada Palavra lida tinha mais sentido. Havia sede de D-us e tudo aquilo que não conseguíamos aprender com seus servos, Ele mesmo nos ensinava pela revelação do Seu Espírito através da Palavra.
 

No dia 16 de março de 1997 passamos pelo Batismo nas Águas. Foi uma experiência maravilhosa, inesquecível... Resposta de orações.


A partir de janeiro de l998 começa despontar um chamado. Lembro-me de haver sentido dor em meu coração ao perceber que estava como um membro "engessado" na Igreja. Então aceitei o desafio do Pai e respondi:

- Sim, quero participar Contigo de uma obra Tua!


Era tarde demais para voltar atrás. ELE não se agrada daqueles que retrocedem. Mal sabia tudo o que já estava preparado e que em breve estaríamos envolvidos com o movimento Judaico-Messiânico, reconhecendo em Jesus um judeu, aprendendo a amar o Seu povo de origem e sentindo o clamor de D-us para que a Igreja cumpra seu papel no arrependimento, luta contra o anti-semitismo e intercessão a favor de Israel. Reconhecemos Yeshua HaMashiach (Jesus o Messias) - o judeu - e isto fez muita diferença em nossa vida espiritual.


Em fevereiro deste mesmo ano, mais uma resposta de oração. O Senhor nos coloca como família junto a outros irmãos numa pequena comunidade onde vivenciávamos um amor muito especial por Israel. Foi lá que ouvimos pela primeira vez com tanto ênfase a palavra TORAH. Foi um tempo de muito aprendizado. Aprender a Palavra num contexto mais judaico é sem dúvida uma riqueza e um descortinar de revelações de D-us.

 

Também nesse período, o Senhor falou conosco. Assustados, sorríamos!

 

Como seria possível? Hoje sabemos que eram palavras verdadeiras e que vieram mesmo do Eterno, pois se cumprem em nossas vidas.

 

Através desta comunidade já estávamos de certa forma ligados ao Ministério Ensinando de Sião de Belo Horizonte-Brasil, ainda que timidamente.

 

Durante este ano tivemos experiências agradáveis. Outras, nem tanto. Mas, tudo cooperou para nosso amadurecimento. "Obrigada Senhor"
 

III
 

Em novembro de l998, parecia que o mundo ia desabar sobre a nossa cabeça. O Eterno nos removeu de onde havia nos colocado. Primeiro espiritualmente e depois naturalmente.

 

Foi uma decisão difícil a ser tomada, mas em janeiro de l999 estávamos como quem sonha. Aparentemente sem rumo, tateando, procurando um lugar para congregar. Voltamos à nossa origem religiosa por breve tempo, pois não era mais possível vivermos sem ouvir falar das promessas feitas a Israel como nação, bem como da restauração prometida a seu povo.

 

Era fevereiro e em determinada semana o Eterno fala comigo três vezes com a mesma Palavra:

 

"Não tomeis rumo aos gentios, nem entreis em cidade de samaritanos; mas, de preferência procurai as ovelhas perdidas da casa de Israel";... Mateus 10. 5-6.

 

Somente hoje entendo que ali estava a confirmação de nosso chamado.

 

Muitas vezes nossa imaturidade espiritual nos impede de ver claramente as coisas. Caminhar no escuro é bem mais difícil, mas Ele permite assim. O que estabeleceu para nós irá cumprir mesmo que nossos olhos não vejam.

 

IV

 

Surpresos e assustados mais uma vez.

 

Ficamos como casal com a representação do Ministério Ensinando de Sião em Curitiba, para divulgação e venda de literatura.

 

Éramos tão novos na fé, tão inexperientes! Mas nosso D-us é tremendo. Faz tudo por nós. Ele nos capacitaria. Em nossa fraqueza Ele glorifica o seu nome. Enviou-nos ajuda... Preparou um reencontro em nosso apartamento com irmãos muito amados que fazem parte desta história no princípio. Teríamos nossa primeira reunião como representantes da AMES. Estava marcada para uma terça-feira à
noite. Que alegria!

 

Na madrugada deste dia tive um sonho o qual relato a seguir:

 

Eu e meu marido estávamos como peregrinos em uma cidade estranha e procurávamos por um endereço escrito num pequeno pedaço de papel. Tínhamos uma pequena quantia em dinheiro. Eram dezessete reais. Avistamos alguns homens conversando perto de um táxi azul e branco. Pareciam motoristas em final de expediente. Aproximamo-nos e perguntamos quanto custaria para que nos levassem até o endereço que constava no papel. Um deles aceitou o dinheiro de que dispúnhamos. A cidade era grande e lembro-me de ter avistado muitos prédios ao longe, mas o local aonde chegou o carro não era nada comum. Tratava-se de um terreno de esquina onde haviam sido fundados os pilares de uma construção. Eram colunas muito grossas de concreto, prontas para sustentarem um edifício. Já apareciam os primeiros tijolos dessa construção. O detalhe surpreendente é que as colunas erigiam de dentro da água. Eram águas límpidas e abundantes.

 

- É aqui? Como pode uma construção com colunas tão robustas erigindo de dentro d’água? Parecia absurdo.

 

O espanto foi tanto que acordei.

 

Não fora um simples sonho. O Senhor estava querendo falar algo. Deu-me uma Palavra logo em seguida e assim que sentei em minha cama incrivelmente abri a Bíblia em Efésios 2: 19-22.
 

"Assim já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de D-us; edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo Ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; na qual todo edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de D-us no Espírito".

Aleluia! Naquele dia eu soube que o Senhor começara algo novo em nossa casa nos incluindo num plano maravilhoso: A restauração de Sua Igreja e de Seu povo.

 

Yeshua é a pedra de esquina. As águas são águas do Espírito Santo de D-us. As colunas são o fundamento dos apóstolos e profetas, ou seja, a Torah. Os tijolos somos nós, os filhos do Reino, as pedras vivas. Baruch Ha Shem (Bendito O Nome)!

 

“Ah, quão doces são as águas que fluem do Trono! Quero permanecer mergulhada nelas”.
 

V

 

Agora nos reuníamos na sala de nosso apartamento todas as terças-feiras. Às vezes em sete, seis, três ou até mesmo só nós dois: eu e meu esposo. Nossos filhos ficavam brincando.

 

Olhar para as circunstâncias só nos fazia sofrer. Mas Ele nos atraía com amor e dizia: "Olhem para mim; ainda reunirei outras ovelhas a este aprisco". 

 

O ano de 1999 foi difícil. Romper laços, sofrer humilhação e sentir solidão não é fácil. Passar pelo deserto para sermos moldados pelo Oleiro é muito doloroso. "Crescer dói”, como diz certa irmã.

 

Neste tempo, apesar da distância em quilômetros, algumas pessoas não desprezaram o nosso "sobreviver". Entre elas estava aquele que nos apoiou na medida do possível, teve paciência, exortou. Irmão mineiro, homem de D’us. Olhou o barco navegar para ver o mover de D-us nestas águas.

Muitas vezes nos sentíamos desprezíveis, mas o Eterno insistia em que não desprezássemos os humildes começos.

 

E mais um ano passou.

 

“As mãos de Zorobabel lançaram os fundamentos desta casa, elas mesmas a acabarão, para que saibais que o Senhor dos Exércitos é quem me enviou a vós outros. Pois quem despreza os humildes começos, esse se alegrará vendo o prumo nas mãos de Zorobabel". Zacarias 4.9-10
 


VI
 

Logo no início de maio de 2000, Marcelo Miranda Guimarães - da AMES - esteve conosco pela segunda vez. Tivemos uma maravilhosa palestra sobre a Páscoa Judaica (Pesach) e pudemos Partir o Pão junto a alguns convidados.

 

No dia seguinte, participamos de um culto em uma grande comunidade evangélica onde o nosso irmão havia sido convidado a ministrar a Palavra. Ficamos com a incumbência da preparação do louvor. O pequenino grupo que estava acostumado a cantar em hebraico em reuniões tão singelas em nosso apartamento, agora louvaria ao Senhor publicamente nesta língua tão pouco conhecida. Nasce ali, naquela manhã de domingo, o Grupo de Louvor Sar-El.

 

Não da vontade de homens, mas de D-us.

 

Na tarde do mesmo dia, nos reunimos na casa de um irmão para resolução de assuntos administrativos. O pequeno grupo ganha o costumado apoio de duas irmãs muito queridas de outro ministério. Agora emprestam uma pequena casa em sua propriedade para que pudéssemos congregar a fim de estudar a Palavra bem como receber outros irmãos que simpatizassem com a visão do Ministério
Ensinando de Sião.

 

Reunir-nos-íamos a partir de então, todos os sábados à tarde, na capela da pequena Canaã no Brasil em nossa cidade. Iniciaríamos também as celebrações de Shabat, em casa, todas as sextas-feiras à noite. O Shabat é um dia muito especial para o nosso Amado, o Eterno de Israel.

 

“E o D-us de Abraão, Isaque e Jacó continua a mover Seu dedo nas águas do Espírito”.
 

VII
 

O pequenino grupo de louvor recebe uma nova integrante, ainda que de passagem. Deveria louvar ao Senhor conosco.

 

Que desafio! Fomos convidados para participarmos do Culto de Arrependimento pelos 2000 anos de Anti-Semitismo Cristão. Deveríamos preparar alguns cânticos em hebraico para o evento onde a Igreja faria formalmente um pedido de perdão aos judeus.

 

Quem entende os caminhos do Eterno? Lá estávamos nós, a dois de agosto de 2000, no Centro de Convenções de Curitiba, em nossa primeira apresentação formal como grupo de louvor. Foi uma data muito especial, pois cantamos diante da comunidade judaica ali representada por alguns membros do CIP (Centro Israelita Paranaense), pelo então Governador do Estado do Paraná, Jaime Lerner, pelo Rabino Sobel de São Paulo e por alguns sobreviventes do holocausto - que honra! Irmã Sandra de Vitória esteve conosco pela segunda vez.


Na mesma semana, outro evento ímpar para nós. Joseph Shulam, servo de D’us, fundador do Ministério Netivyah de Jerusalém-Israel, estaria conosco pela primeira vez.

Dias especiais.

 

Joseph nos abençoa no aeroporto antes de seu regresso.

 

A partir de então, muito trabalho, alegrias, sofrimento e aprendizado de D-us.


Neste mesmo mês iniciamos nossas aulas de hebraico.

 

O Grupo de Louvor Sar-El é uma realidade. Uma estratégia do Altíssimo para levar a visão de Israel à Igreja quer ouçam quer deixem de ouvir.

 

"Os filhos são de duro semblante, e obstinados de coração; eu te envio e lhes dirás: Assim diz o Senhor D-us. Eles, quer ouçam, quer deixem de ouvir, porque são casa rebelde, hão de saber que esteve no meio deles um profeta". Ezequiel 2:4-5

Paralelamente o bom Pastor cuida do pequenino rebanho alimentando-o com Sua Palavra, disciplinando-o com Seu cajado, mas fazendo-o repousar em pastos verdejantes e conduzindo-o a águas de descanso.

 

VIII
 

"Consolai, consolai o meu povo, diz o vosso D-us. Falai ao coração de Jerusalém, bradai-lhe que já é findo o tempo da sua milícia, que a sua iniqüidade
foi perdoada e que já recebeu em dobro da mão do Senhor, por todos os seus pecados".
Isaías 40. 1-2


O hebraico já não é uma língua estranha para nós. É difícil, mas maravilhoso! Parece tão familiar!

 

O tempo passa com rapidez. Já foram muitas apresentações com o grupo de louvor em comunidades diferentes. É muito bom cantar a Palavra de D-us e assim testemunhar à Igreja do Seu amor pelo povo escolhido. Cerca de dois anos duraria esse serviço. “Há tempo determinado para todo propósito debaixo do céu”.

*Não poderia deixar de agradecer ao Senhor pela vida de cada irmão do grupo de louvor e destacar o empenho de nosso regente, de nossa tecladista e de seu esposo que cedia a casa para os ensaios, além de abrilhantar o grupo com sua linda voz.

 

“Obrigada Pai, pela graça e unção que derramou sobre nós".


IX
 

Passemos a fevereiro de 2001.
 

Reb Marcelo (é assim que o chamamos agora) veio de Belo Horizonte para olhar um pouquinho o crescer lento do grupo e resolver algumas questões. Ficaríamos até novembro utilizando o espaço da pequena Canaã.

 

Foi lá que tivemos uma maravilhosa celebração do Shabat no segundo dia do mês. D-us tem Seus meios para executar Sua vontade. Naquela noite seria necessário o toque do shofar. Irmão Patrick, nosso convidado, trouxe o seu. Foi dado o toque tão profético e muralhas foram derrubadas no mundo espiritual. Não foi a primeira vez que ouvi aquele som, mas como das outras vezes, sempre em ocasiões marcantes em minha vida, a sensação foi indescritível, sobrenatural! Bendito seja o Nome do Senhor!

 

Iniciaríamos na manhã seguinte o Estudo das Porções de Sábado (Parashiot) e assim faríamos a cada Shabat dali por diante.

 

Nossa identidade está sendo formada.

 

"Eis que faço cousa nova, que está saindo à luz: porventura não o percebeis? Eis que porei um caminho no deserto, e rios no ermo". Isaías 43.19


X
 

D’us é Fiel.
 

Mais um acontecimento importante à vista. Um casamento judaico em nosso meio. Estava marcado para 31 de março de 2001 e seria realizado num lindo jardim, na pequena Canaã. Reb Marcelo teria vindo celebrá-lo caso não tivesse impossibilitado de comparecer. Jorge veio em seu lugar. Lembro-me de ter comentado com ele que sentia algo especial naquele dia. Era algo que não sabia explicar, mas estava relacionado à futura Congregação Sar-El de Curitiba e o Ministério Ensinando de Sião.


O Pastor... Não foi a primeira vez que esse irmão nos visitou e sua vida foi um vaso nas mãos de D-us para nos abençoar.

 

O Senhor continua o Seu trabalho.

 

"É certo que não dormita nem dorme o Guarda de Israel.” Salmo 121:4
 

XI
 

Danças, vozes...

Achegam-se outras ovelhas ao aprisco. O Pai as enviou. Porventura seriam algumas das perdidas da Casa de Israel?

 

ELE as chama pelo nome. Elas reconhecem Sua voz, pois em seu coração já arde uma chama que antes fumegava: a chama de um coração judaico.

 

D-us as quer de volta. Quer curar todas as suas feridas, muitas das quais ainda armazenadas em uma memória dormente que agora desperta. É o tempo.

 

Elas também querem voltar. Sentem saudades de casa, das coisas que lhe são familiares por herança. Não sabem explicar bem, mas são suas raízes que querem resgatar por direito.

São pessoas que vieram somar esforços neste pequenino corpo para que pudesse funcionar melhor.

Aleluia! O bebê está sendo formado.

 

“Mas agora diz o Senhor, que me formou desde o ventre para ser seu servo, para que torne a trazer Jacó, e para reunir Israel a Ele, porque eu sou glorificado perante o Senhor, e o meu D-us é a minha força.

 

Sim, diz Ele: Pouco é seres o meu servo, para restaurares as tribos de Jacó, e tornares a trazer os remanescentes de Israel; também te dei como luz para os gentios, para seres a minha salvação até a extremidade da Terra”. Isaías 49: 5-6


XII
 

Outubro de 2001.

 

Os meses passam depressa e já é tempo de sairmos da pequena Canaã. Que alegria! Nosso Amado providenciou uma tenda para nós. Guiou-nos até o local que determinou, sem esforço nem jugo. “Senhor, concede-nos a paz, porque todas as nossas obras Tu as fazes por nós”. Isaías 26.12

***

Em novembro, o grupo de louvor completa cerca de quarenta apresentações. Também trabalha para organizar a nova casa. Tudo é muito simples, mas o básico necessário para a chegada de Sar-El já está preparado. O mais importante é sentir que Ele se faz presente na comunhão deste corpo, agora já formado e prestes a nascer. O Pai se encarregou de enviar provisão.

“Minha é a prata, meu é o ouro, diz o Senhor dos Exércitos.” Ageu 2:8

“Eu sou o Senhor, este é o meu nome; a minha glória, pois, não a darei a outrem, nem a minha honra às imagens de escultura". Isaías 42.8

 

***
 

Dezembro chegou.

Estamos em período de Chanuká. ELE nos ensina a celebrar como se ensina a uma criancinha. Alegramo-nos em aprender e obedecer. Acendemos as luzes da Chanukia (Candelabro de oito braços) durante os oito dias de celebração, orando e nos consagrando. Era a “Festa das Luzes”- João 10:22

 

No terceiro dia da festa, logo depois do acendimento da Chanukia, num choro precipitam-se dores. São gemidos como os da que está para dar à luz. Em 12 de Dezembro de 2001 o Médico corta o cordão umbilical: NASCEU SAR-EL.
 

"O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã". Salmo 30:5b
 

Epílogo
 

Seria simples coincidência que nove meses depois daquele casamento Judaico-Messiânico, já tivéssemos nossa própria tenda onde a Congregação Sar-EL pudesse vir à luz e recém nascida iniciasse seu desenvolvimento a fim de cumprir os propósitos do Eterno para sua existência?

Olhos de incredulidade jamais poderão contemplar tudo quanto ELE fez. 
Mas, pela fé exultaremos nos feitos do Senhor.
 

“Então orou Ana, e disse: O meu coração se regozija no Senhor, a minha força está exaltada no Senhor; a Minha boca se ri dos meus inimigos, porquanto
me alegro na tua salvação. Não há santo como o Senhor; porque não há outro além de Ti e Rocha não há, nenhuma, como o nosso D-us. Não multipliqueis palavras de orgulho, nem saiam cousas arrogantes da vossa boca; porque o Senhor é o D-us da sabedoria, e pesa todos os feitos na balança. O arco dos fortes é quebrado, porém os débeis cingidos de força. Os que antes eram fartos, hoje se alugam por pão, mas os que andavam famintos, não sofrem mais fome; até a estéril tem sete filhos, e a que tinha muitos filhos perde o vigor. O Senhor é que tira a vida, e a dá; faz descer
à sepultura e faz subir. O Senhor empobrece e enriquece; abaixa e também exalta. Levanta o pobre do pó, e desde o monturo exalta o necessitado, para o fazer assentar entre príncipes, para o fazer herdar o trono de glória; porque do Senhor são as colunas da terra e assentou sobre elas o mundo. Ele guarda os pés dos seus santos, porém os perversos emudecem nas trevas da morte; porque o homem não prevalece pela força. Os que contendem com o Senhor são quebrantados; dos céus troveja contra eles. O Senhor julga as extremidades da terra, dá força ao seu rei, e exalta o poder do seu ungido". I Samuel 2:1-10

 

Seja esta a minha oração. E Sar-El seja entregue ao Senhor. Cumpram-se em
nós, seus membros, os sonhos do Pai.

"Porque Dele e por meio Dele e para Ele são
todas as coisas. A Ele, pois a glória eternamente.
Amém".
Romanos 11:36

 

 

continuar a ler